Cheia de rios deixa 200 famílias ilhadas em Rondônia

Cerca de 200 famílias da região de Guajará-Mirim (RO), a 370 quilômetros de Porto Velho, estão ilhadas por causa da cheia dos rios Guaporé e Mamoré. De acordo com as autoridades, só na área urbana, na fronteira com a Bolívia, a enchente atingiu 120 famílias, sendo que 35 delas estão tendo que morar nas casas de parentes. Já na zona rural, outras 55 famílias estão ilhadas.

O nível do Rio Mamoré deveria estar em dez metros nesta época do ano, mas nesta semana, marcou 11,68 metros, fazendo com que a água invadisse residências.

Esta é a maior cheia desde 2014, quando o Rio Mamoré atingiu um nível histórico. A água não parou de subir pois a chuva foi acima da média este ano, segundo informou o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

Com as ruas cobertas pela água, o barco virou o único meio de transporte pelas vias.

Cheia na área rural

Os dois rios também desalojaram ribeirinhos e comunidades rurais de Guajará-Mirim. O pescador Jorge Mãximo Lemos, um dos atingidos pela cheia, diz que fez uma ponte improvisada de madeira para que os filhos pudessem ir à escola.

“Veio a Defesa Civil aqui e disse que ia trazer uma água, alimento, mas até agora não chegou… A gente vai se virando. Tem hora que dá um desespero, vontade de sair, mas não tem outro lugar, né?”, lamenta Jorge.

Ao Jornal Nacional, o coordenador da Defesa Civil de Guajará-Mirim diz que mais de 50 famílias foram atingidas pela água nas comunidades ribeirinhas e aldeias indígenas.

“Lá no Distrito de Surpresa nós temos 55 famílias que já foram atingidas. Em algumas aldeias, nós temos relatos de que cerca de 20 A 30 famí­lias foram atingidas, e a gente está indo lá esta semana para fazer o cadastro e confirmar essas informações”, conta Marcelo Alves.

Enquanto o nível no Rio Madeira, em Porto Velho, segue baixando, Guajará-Mirim deve continuar com a cheia, deixando os moradores olhando para as portas de casa com medo da água.

O nível do rio deve baixar na segunda quinzena de maio. A Defesa Civil informou que as equipes já estão entregando alimentos para os atingidos.

Fonte: G1